Máquina Mortífera | Piloto dedura a crise dos roteiristas americanos

Reviews
4

Ruim

Elenco irregular, roteiro fraco e todos os ingredientes para fazerem a série da FOX flopar na primeira temporada

Sou extremamente crítico para o momento da TV aberta nos Estados Unidos, onde de maneira industrial, as emissoras resolveram investir em remakes.de projetos que deram certo em algumas das mídias. Por isso não me espantou que Máquina Mortífera (a série) fosse tão ruim como é.

Optando em cada frame em homenagear o sucesso protagonizado na quadrilogia por Mel Gibson e Danny Glover, a proposta da FOX é emular os anos 90 na sua grade, sem qualquer tipo de adaptação para um público já não habituado à roteiros cheio de clichê e lugares-comuns e com atuações muito abaixo.

Clayne Crawford é Martin Riggs na versão televisiva de Máquina Mortífera

Clayne Crawford é Martin Riggs na versão televisiva de Máquina Mortífera

Premissa básica poderia funcionar com elenco melhor

Quando o agente Martin Riggs (Clayne Crawford) perde sua esposa – que estava grávida do primeiro filho – em um acidente de carro, resolve entrar em um processo de auto-destruição. Sem aparentes motivos para viver, se entrega a uma vida sem muita perspectiva. Na mesma cidade, Roger Murtaugh (Damon Wayans) está disposto a voltar ao trabalho após um período de pausa devido aos problemas de saúde. Mal sabe ele que está prestes a se tornar parceiro de alguém que é um suicida em potencial.

Tanto Clayne Crawford quanto Damon Wayans estão caricatos em seus personagens, pois estão preocupados em serem cópias fieis de Gibson e Glover, tarefa quase impossível de ser cumprida, uma vez que os atores sessentões são melhores que a nova dupla, que não funciona nem em momentos dramáticos ou nas premissas cômicas.

Crawford causa algum constrangimento ao tentar convencer o público do seu sofrimento ao expor de maneira melodramática sua história. Na mão de alguém com mais tarimba, ficaria de bom tom. No caso do ator, que tem vários trabalhos na TV no curriculum, Riggs não tem o mesmo charme do desenho que Gibson conferiu ao personagem original. Mesmo quando estava em seus momentos mais insanos, o Riggs original tinha seu próprio humor. Crawford está bem longe disso.

Damon Wayans é o agente Roger Murtaugh na versão televisiva de Máquina Mortífera

Damon Wayans é o agente Roger Murtaugh na versão televisiva de Máquina Mortífera

Wayans nem bom ator é e seu traço de comédia está mais ligado ao improviso do que especialmente como um ator que pode ser dirigido com “facilidade”. Muitas vezes o público vê um sorriso no canto de boca, que não deveria estar ali quando o assunto é suicídio, como aconteceu em alguns momentos do piloto. Ele não tem condições de atuar como protagonista sem parecer bonachão.

Momentos constrangedores e pouco carisma

Um tema como sexo oral em 2016 está longe de ser polêmico, mas os roteiristas de Máquina Mortífera conseguiram tornar um assunto picante em um dos micos do episódio de estreia; a construção do argumento foi de uma infelicidade tão grande, que as sugestões dos personagens podem corar qualquer um não pelo tipo de abordagem, mas pela tolice em torno das cenas, que praticamente abrem e fecham o episódio.

Sem contar que ao tocar em temas como suicídio, a delicadeza em torno do texto deveria ser emoldurada por alguma sutileza em um tom leve e essa abordagem não acontece da forma como poderia em uma série de TV aberta. Sem figuras de linguagem e longe de um discurso mais elaborado, Máquina Mortífera peca nos picos de intensidade por não saber dosar e equilibrar esses assuntos sem que a gente queira que o episódio acabe.

Crawford (esq) e Wayans formam nova dupla em Máquina Mortífera

Crawford (esq) e Wayans formam nova dupla em Máquina Mortífera

Cancelamento não será surpresa

Essa aposta já deu indícios de ser uma grande furada, já que séries como A Hora do Rush (CBS) tiveram apenas uma temporada de 13 episódios e ninguém vai dizer que sentiu falta. Além de audiência ruim, o público americano não quer ver atrações com premissas além do “basicão”. Mesmo que a tv aberta seja composta por atrações que não farão com que alguém formule uma equação que garanta a “felicidade do homem”, o capricho poderia ser melhor. Mesmo séries que estão aí há quase 20 anos como Law & Order: SVU, a cada temporada procuram fugir da mesmice e vão se reinventando. Muitas vezes isso custa a permanência de um personagem ou a mudança radical do caminho que os roteiristas escolheram para sua trama, mas os profissionais buscam renovação. Não acredito que a série terá vida longa na TV sem que alguma mudança seja feita.

Good

  • O cancelamento é quase certo

Bad

  • Elenco muito ruim
  • Roteiristas especializados em clichês
  • Falta de habilidade para lidar com assuntos delicados
  • Proposta equivocada do canal

Summary

Talvez se a FOX tivesse trazido para o elenco atores mais cascudos e apostado em um texto mais enxuto, quem sabe o público estivesse mais atento à nova "velha" atração.
4

Ruim

Lost Password