Homeland 6×01 – O pior início de temporada que a série já teve

Reviews Séries
5

Mais ou menos

Quando saiu a notícia de que Homeland seria renovada até a 8ª temporada e sem previsão nenhuma de ser cancelada eu fiquei com um sentimento agridoce. O meu maior medo é de que agora os roteiristas resolvam fazer corpo mole. Mas eu ainda tenho esperanças e acredito nessa série.

Claire Danes como Carrie Mathison e Rupert Friend como Peter Quinn.

Nessa nova temporada, Carrie (Claire Danes) está morando em Brooklyn, Nova Iorque, onde trabalha em uma fundação que ajuda os imigrantes muçulmanos a se adaptarem à cultura americana. A personagem volta completamente diferente das temporadas anteriores. Aparentemente curada da bipolaridade e com uma aversão ao seu emprego antigo no serviço secreto.

Temos uma presidente recém eleita que tudo indica era pra ser uma homenagem a Hillary Clinton caso ela tivesse ganho a eleição. Pelo visto já começou errada essa temporada.

Atriz Elizabeth Marvel que já tentou candidatura em House of Cards, aqui se torna presidente.

Eu reconheço e admiro o potencial que Homeland possui. Suas temporadas são normalmente muito eletrizantes e os casos de ataques terroristas são gigantescos e de se assustar. Mas o que faz uma série ser grandiosa mesmo são os personagens. E eu dificilmente confio em uma série que muda de enredo a cada temporada e deixa os personagens com aspecto de, “Ah, já deu o que tinha que dar, vamos improvisar aqui.”

É isso que Homeland tem me transmitido nos últimos anos. Tudo começou depois da morte do seu personagem principal, Brody. Mesmo conseguindo sustentar as outras temporadas sem ele, a série perde o fator de intimidade com quem assiste. Acaba a empatia com os personagens. E a sensação é que a cada temporada você tem que começar tudo novamente e com novas caras. Já deu né? Chegou a hora de parar.

Ou o roteiro se ajeita e nos dá um drama profundo e personagens em quem podemos confiar, ou perdemos a série aqui mesmo.

A essa altura, os personagens parecem também desgastados com o tempo. Saul, vivido por Mandy Patinkin perdeu todo o mistério das primeiras temporadas para se tornar um secundário que está sendo mal utilizado aqui.

E falando em pessoas mal utilizadas. Claire Danes é uma atriz excepcional. Já levou dois Emmys e dois Globos de Ouro pra casa e poderia ter levado até mais ainda. É por ela que ainda continuamos a ver Homeland. Deixou de ser pelos conflitos terroristas entre Estados Unidos e Oriente Médio. Deixou de ser pra conhecer o “vilão da vez” e se impressionar com os milhares que irão morrer durante ataques terroristas na série.

Claire expressa o sentimento que o telespectador possui com Homeland agora. Bipolaridade. Ou estamos ali vidrados com os momentos de tirar o fôlego que a série tem ou estamos apáticos, de saco cheio ou entediados com novas historias, novos personagens e que sabemos que no fundo nunca serão como os principais da série e bem capaz que vão morrer logo.

Ainda é cedo pra dizer. Mas uma coisa é certa, o primeiro episódio dessa sexta temporada começou e terminou sem dizer a que veio esse novo enredo. Espero que a série não comece a se arrastar e que nos dê alguma coisa a mais logo no segundo ou terceiro episódio. Homeland tem potencial.

Summary

Um episódio sem clímax e no máximo "ok". Nem de longe chega a ter a empolgação das outras premiers das série. Ainda é preciso mais um ou dois episódios para se saber a que veio essa 6ª temporada.
5

Mais ou menos

Lost Password